quarta-feira, 18 de maio de 2011

Eu voltava de onde nunca havia partido...






Dirigia meu carro e na noite tinha uma lua cheia no céu. Ouvia Nina Simone quase chorando em 'I Shall Be Released'; pelos vidros do carro o mundo lá fora estava visível em vagas camadas azuis, como se eu olhasse de um submarino. Queria aquela lua. Aquela noite. Mas também a recente tarde agridoce com ele e com amigos tomando caldo de camarão e vinho tinto. Na auto-estrada libélulas. Flores. Placas sinalizando caminhos que não queria seguir. Vapores vindo do mar. Brisa. Bruma. Luzes dos navios.

O carro corria, mas me sentia num terminal de aeroporto, entre malas não solicitadas ou babagem perdida. Um exoesqueleto. Queria uma tarde agridoce, aquela noite, mas também ele deitado na cama de manhã, fumando seu primeiro cigarro e comentando da sua vida. Eu do meu tédio.

O carro na auto-estrada. A noite não era um filme, uma fotografia, mas via tudo em três dimensões. Profundidade. Distância. Proximidade. Queria coisas impertubaveis. Pensei no mangue que atravessamos sob o sol forte de um sábado. Em baleias. Na atração por ele como algum tipo de campo magnético. Queria ele lendo poesias na rede da varanda, de novo.

O carro corria mais rápido. Apesar da lua cheia, me sentia cinza, assim como minhas paisagens noturnas. Dunas numa tarde de chuva. Na memória ele lavando louças na pia da cozinha, tão prosaico. Um pássaro voando cruzou minha visão. Chorei lágrimas lentas como se tivesse um dente-de-leão meio assoprado em meu coração. As lágrimas embaçaram um farol pulsando, indicando o quê? Uma nuvem e a lua. Queria eu e ele girando sob aquela lua até que um dos dois caisse tonto e rindo naquele céu claro. Queria manhãs a tomar café preto em silêncio, sabendo que ele estaria por perto, no mar.

O carro corria... Ele havia partido... Eu voltava de onde nunca havia partido...




(by, franck // imagem: internet)

20 comentários:

  1. Um duelo entre a velocidade e a intempérie, entre a razão e a saudade, entre o sonho e a realidade!
    Passei pra conhecer e gostei! Já puxei a cadeira...
    bj

    Catita

    ResponderExcluir
  2. Em tempo, como boa LIBRIANA q sou, ja to seguindo!

    ResponderExcluir
  3. Muito lindo...Gostei! abraçso,chica

    ResponderExcluir
  4. "Esse girar sob a lua... Ja diz tudo".
    Ah! E o café preto seria perfeito. Adoooro!

    =)
    bjo, Franck!

    ResponderExcluir
  5. Olá menino
    São desejos de que o tempo volte, e com ele, volte alguém que nunca devia ter partido.
    Bjux

    ResponderExcluir
  6. Franck,

    Você não imagina o tanto que viajo quando estou dirigindo. Muito mais do que mostra o velocímetro...

    Um abraço,

    Suzana/LILY

    ResponderExcluir
  7. Que lindo. Por vezes, somos obrigados a partir de um lugar onde o nosso coração fica para sempre. Agridoce.
    Adorava ter o teu livro, autografado claro. Como posso adquiri-lo?
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Querendo, não podendo!
    Há coisas assim, viagens sem partida...

    Bjs dos Alpes

    ResponderExcluir
  9. Bom dia.

    Voltarei depois para ler com mais calma.

    Um grande abraço.
    Maria Auxiliadora (Amapola)

    ResponderExcluir
  10. Franck, meu querido!

    Ô saudade de passar aqui meu amigo, mas minha vida anda girando mais rápido que eu, e o tempo escasso me come, me consome, e me entedia.

    Franck, engraçado que qdo ando de carro, eu tbm viajo fora de mim.
    Eu penso em coisas que foram, que são, que é..
    Eu acelero muito mais que o velocimetro, qdo viajo para coisas do passado, coisas que vivi, que quero viver.
    A liberdade de dirigir, me deixa feliz.
    Mas qdo entro com o carro na garagem, percebo que voltei pra minha casa, pro meu tédio, pra minha rotina...e meus sonhos ficaram em algum lugar da estrada.....

    Lindo texto meu querido.
    Você sempre fala coisas de você, que tem tanto a ver conosco.

    Um beijo dessa amiga que te tem um amor infinito.

    ResponderExcluir
  11. Dentro do coração
    não há partida
    ...

    Extasiante.

    abraço.

    ResponderExcluir
  12. Franck,

    Voei em pensamentos ao te ler ...
    Lindo e sensível como sempre.



    Bjo com carinho sem fim ...

    ResponderExcluir
  13. Ai, lindo como sempre.
    Preciso comprar seu livro.
    Me cobre.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  14. Olá Franck..
    Seus sentimentos tem sempre a medida de intensidade que me faz sentir sua dor, que por hora é também a minha. Esse relembrar é doido. Mas hora passa. Saudades. Beijos

    ResponderExcluir
  15. Franck queridão, como é que se volta pra ausência, não é?
    Bj grande e lindo fds

    ResponderExcluir
  16. eu tive a impressão de já ter vindo comentar aqui, olha que desleixo meu, sorry! rrsrsrs ei, frnck, sempre que abro seu blog, outra 2897873878 janelas iguais abrem-se pra mim, sem que eu possa controlar. vc sabe o que é isso? bjinhus.

    ResponderExcluir
  17. Oiee,qnt tempo.td bom?
    Vc continua escrevendo perfeitamente.
    Tenha um ótimo fds.
    @vanimonique
    :*

    ResponderExcluir
  18. Excelente!!!!!
    "Eu queria tomar café sabendo que ele estava por perto"...
    Tenha um bom fim de semana
    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Belo e com profundidade.

    A propósito, adoro o nome do teu blog!
    BjO!

    ResponderExcluir

(Quem dá a volta ao zodíaco comigo...)

EU...

Minha foto
São Luís, MA, Brazil
Um brasileiro-nordestino, um cara comum, qlq um, como diria Caetano Veloso...