sexta-feira, 13 de maio de 2011

Tenho cheiro de ervas verdes nas mãos!






Ele chegou numa tarde de quarta-feira. De abril. Na cidade um trânsito caótico. Mas tinha uma arco-íris no céu saudando sua chegada e no rádio do carro, músicas maranhenses. Estávamos nesta ilha, numa quarta-feira. Num fim de tarde. Num abril. Não tinha tido tempo de arrumar a casa, tirar a poeira dos cantos, das poltronas, preparar a cama, tirar os lençóis, para recebê-lo; mas depois vi que não teria sido necessário, porque sua ávidez pelo mar e sol, era tamanha, urgente, acordando às seis da manhã para nele entrar, como um marinheiro, um salva-vidas, um pescador, ou pela falta desse mar, desse sol, na cidade ao sul da qual ele veio.

Ele chegou numa tarde de quarta-feira. De um abril. Nos quatro dias sua pele sulista a cada noite mais bronzeada e cheirando a mar e sol, seus olhos cada vez mais verdes, e, os dias que passamos juntos entre cervejas, risadas, frutos do mar, cansaço, insônia, adentramos mais ao litoral para vermos dunas, lagoas azuis, um rio escuro, um céu entre o claro e o cinzento, travessias de balsas, para voltarmos quando a cidade chorava por sua partida na madrugada. Também voltei do aeroporto com lágrimas nos olhos, olhando as luzes, a chuva que arrastava garrafas, flores de plástico, latas, sacolas plásticas e eu para a minha solidão. Mas queria ele. Festa. Não dor.

Aquele feriado passou. Os dias passam, ele no sul e eu no nordeste. Matamos saudades via fone, mandando castanhas de caju, fotografias, um mapa do litoral nordestino para o roteiro de quando ele vier em julho, quando nos reencontraremos, fazermos essa viagem. Nesses dias vazios dele, tenho cheiro de ervas verdes nas mãos, me acalma molhar plantas, folhear livros ao acaso, ouvir músicas, comer abacates... Enquanto julho não vem, nesta cidade que ele não mais se encontra, volto as praias que estivemos e sinto o vento misturando terras, pólens, sementes, algas... Os dias que passam lentamente me deixam quase cego olhando o mar e seu infinito, o azul do céu, a transparência do ar. Os dias passam lentamente e desejo que logo seja julho, que tenha um arco-íris no céu da cidade quando ele voltar. Ou sol. Ou chuva. Mas que ele esteja aqui.



(by, franck // imagem: internet)

PS: Postei este texto essa semana e não sei porque sumiu a postagem e os comentários feitos nele do blogger)

24 comentários:

  1. Que venha julho então!
    Belíssimo texto.
    Gd beijo

    ResponderExcluir
  2. Momento guardados no coração, que bate apressado à espera de julho. Que venha logo.
    Bjão

    ResponderExcluir
  3. Frank... Meu Amigo Querido!

    Que sorte a minha... ter vc a esperar por "julho"! Com esse cheiro "verde" nas mãos e em teus versos!

    Quanta saudade dessa sensação da vida nas suas doces e ácidas linhas!

    Quanta saudade de ti!

    Bom aspirar tua poesia, teu sentir e tuas ervas!

    Deixo aqui minhas saudades... meus beijos vermelhos e meus carinhos tbm!

    Sua e sempre amiga

    Sil

    ResponderExcluir
  4. Nossa, belíssimo mesmo!

    Que inspiração, que declaração...
    Como sempre me emocionei.

    Bjos.

    ResponderExcluir
  5. Ahhh meu amigo você tem cheiro de saudades...
    Beijos meus para acalentar sua alma.

    ResponderExcluir
  6. Que lindo ! Adorei, mesmo.
    E... que chegue Julho! (:
    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. ...e ele estará é claro,
    porque o amor tarda mas
    não falta...jamais!

    bjs, anjo das palavras encantadas!

    ResponderExcluir
  8. Belo texto,inspirador!

    Tão belo que quase deu pra sentir o cheiro das ervas verdes...

    ResponderExcluir
  9. Saudade,
    tem cheiro de sal nos olhos, ferida no peito, falta de alguém especial.
    Lembranças,
    tem cheiro de riso sem respostas, de parar no tempo com o olhar, carecer do outro juntinho ao menos ali, na lembrança.
    O tempo tem cheiro de velocidade.
    Quando o amor está ao lado ele corre, quando o amor vai embora ele dança na gente com espada afiada, mas corre assim mesmo.
    Apenas nosso coração caminha nele devagarzinho, minutos duram horas, mas passam.
    Logo chegará Julho querido e vocês irão saborear tudinho outra vez.
    Com mais sabor, o sabor da saudade curtido e cheio de novidades.
    Beijinho Franck.

    PS: Também perdi muitas coisas, mas enfim o blogger estava com problemas. Ainda bem que meus textos eu guardo cópias.
    Beijinho
    Fernanda

    ResponderExcluir
  10. Oi,Franck!Todos os últimos posts de todos os blogs sumiram, pelo que sei alguns voltaram outros não, problema sério no blogger.
    Ai ai o que te dizer, nessas horas parece que o tempo demora a passar.Eu já estou contando os dias para o reencontro com o meu amor.Nessas horas eu me lembro da música N de Nando Reis "espero que o tempo passe, que a semana acabe para que eu possa te ver de novo, espero que o tempo voe para que você retorne para que eu possa te abraçar..."
    Um ótimo fim de semana!
    Beijosss

    ResponderExcluir
  11. Franck,


    Que ele volte, que tenhas as mesmas alegrias salpicadas do verde da ervas roubadas dos olhos dele!


    Um abraço, Marluce

    ResponderExcluir
  12. Franck, meu amigo querido, metade tbm adorada de mim!

    E a gente fica relembrando cores, sabores, odores, momentos que foram tão bonitos.
    Mas qdo a pessoa se vai, parece que leva um pouco de nós, deixando o aroma de uma saudade vaga, vazia..
    Mas a gente conta os dias, as horas, os meses, para que voltem os sabores, as cores, os aromas, os odores.
    Ficam as lembranças, dos momentos que foram bons.
    Eles se eternizam em nós, cravam na nossa pele, na nossa alma.

    E quando julho vier, acabará aquela não dor, afinal.

    Meu amigo que amo, depois dessa manutenção do blog, tanta coisa sumiu, mas coisas do google.
    Vim aqui dizer que amo seus textos, porque cada palavra, cada virgula, é você.
    É seu sentimento nas palavras, são coisas vividas.
    Franck, Franck...vc ainda vai ser tão feliz, mais do que eu sei que já és!

    Obrigada por ser esse amigo que compartilha comigo tantas coisas legais.

    Um abraço meu querido, e que Julho venha.

    ResponderExcluir
  13. Querido Franck,

    Hum... dei um suspiro ao terminar de ler teu texto. Um mundo verde, mas maduro de sentimentos, assim deveria ser, um conto bem contado, uma toalha bem bordada, sonho acalentado. Que venha o teu tempo de Lua cheia, nova, capim cheiroso, erva-cidreira doce.

    Um abraço, meu carinho (hoje, estou doce),

    Suzana/LILY

    ResponderExcluir
  14. Franck queridão, os cheiros são tão vivos que quase sempre nos matam, nesse caso, de saudade!
    Bj grande e bom fds

    ResponderExcluir
  15. Ah! Franck querido,
    Com esses olhos verdes e tão lindas memórias, De q importa a poeira pelos cantos da ksa!?... =)

    A partir de agora, torço p/q chegue então -o mês de JULHO.

    bjo

    ResponderExcluir
  16. Ai que saudade daqui... Sempre um prazer ler-te caro poeta.

    Abraços meus.

    ResponderExcluir
  17. Meu comentário sumiu, deve ter sido no dia do apagão.
    Que venha logo julho, para que a música volte a tocar.
    Bjux

    ResponderExcluir
  18. Franck,


    Que saudade !

    Que Julho chegue breve , muito breve ,e te traga
    toda essa magia presente do amor.
    Sempre uma delícia te ler.
    Saio com cheirinho de ervas verdes ...
    :)


    Bjo Grande e uma Noite de Paz.

    ResponderExcluir
  19. Ah, saudade! São Luís parece tão propícia a nos fazer conviver com este sentimento, não?
    Julho logo chega.

    ResponderExcluir
  20. continua lindo seu blog, vou ficar vindo aqui, beijos

    ResponderExcluir
  21. Meu amigo Superalma.
    Qto tempero, sabor e saudade por aqui..

    abraço

    ResponderExcluir
  22. Franck... julho tá aí... logo, logo ele volta :)
    Voltei p/ o blog... passa lá:)
    Bjão amigo!

    ResponderExcluir
  23. ai, ai, ai...até suspirei aqui Frank...
    Que continue assim, com muito tempero e amor na sua vida!
    bjossssssssssss

    ResponderExcluir

(Quem dá a volta ao zodíaco comigo...)

EU...

Minha foto
São Luís, MA, Brazil
Um brasileiro-nordestino, um cara comum, qlq um, como diria Caetano Veloso...