sábado, 28 de agosto de 2010

Bananeiras, um rio e um cavalo...

Tem um tempo que tinha uma estrada de terra.
Um rio de águas claras.
Cavalos indo nessa estrada e atravessando o rio.
Meu avô dentro de uma loja. Minha avó na cozinha. Minha mãe lendo numa varanda.
Tinha um junho.
Conversas num começo de noite na calçada.
Tinha fogueiras nas ruas. Simpatias para as tias.
Tinha um lobisomem que nunca se via. Latidos de cães. Quartos escuros e uma certa solidão.
Tinha banhos de rio. Bananeiras no quintal.
Tinha outros primos. Tios num curral.
Leite fresco de manhã. Cheiros vindo de um matagal.
Tinha pôr-do-sol no rio de águas claras. Luar de sertão.
Tinha uns violões, meu avô cantando Luiz Gonzaga.
Tinha pés descalços. Frutas em árvores e na cozinha. Um vento num canavial.
Tinha um bumba-meu-boi, Catirina, uma moça que queria a língua do boi.
Tinha eu, menino, nesse junho, vindo nessa estrada de terra, num cavalo, atravessando o rio.
Tinha tantas memórias, as quais em agosto não lembro mais.

(by, franck)

24 comentários:

  1. Franck, fico feliz que tenha voltando tão rápido e tão bem.
    Quão belas são suas recordações e sua maneira de lembrá-la para todos nós, parabéns.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Fraaank, eu amei.
    Minha mãe cresceu nesse tipo de lugar. Agora, então, ela tem um pavor de mato, casa no "meio do nada"... E eu morro de vontade de saber como é estar num lugar como esse, sendo que o dia se transformasse em rotina e eu pudesse ver realmente a vida no campo.
    Tando que sonho com uma segunda casa em algum estepe do mundo.
    E só andei a cavalo uma vez. Que inveja!

    ResponderExcluir
  3. Gostei desse texto...fui lendo e comecei a viajar em minhas lembranças de agosto.
    abraços meu amigo

    ResponderExcluir
  4. Franck, passando por aqui percebi em seu texto que és um saudosista como eu. Parece também que teve como eu uma infância no campo criado em meio a natureza. É isso aí amigo. Ha muitos anos vivendo na metrópole mesmo assim...

    Abraço caipira pra vc.

    ResponderExcluir
  5. PERFEITO, MARAVILHOSO E AINDA DE QUEBRA ME FEZ LEMBRAR DO POEMA INFÂNCIA, DO DRUMMOND.

    ResponderExcluir
  6. ...tinhas não.
    tens porque dormem aí guardadinhas
    em sua memória, esta caixinha que
    como o coração, é terra que ninguém
    pisa, e guarda tantos tesouros
    de tempos em que se era feliz
    e não sabia.

    tantas lembranças!!!

    manhã se abrindo nos braços
    do sol...
    mesa posta e café fresquinho
    combinando com leite, pão,
    manteiga, bolo de fubá,
    queijo branco, e muita conversa,
    sonhos contados entre uma gole
    e outro, tudo isso mesclado
    com a algazarra feliz na orquestra
    dos passarinhos nos galhos do
    abacateiro...

    ai ai

    bj, lindeza!

    ResponderExcluir
  7. Em agosto eu esqueço tanto, mas em setembro tudo volta com mais cor...

    Abraços meu caro...belo texto!

    ResponderExcluir
  8. lindo texto, Sr. Franck... Abraço, bom sábado!!!

    ResponderExcluir
  9. E toda essa paisagem bucólica, se perdeu com o tempo. E com ela foi um pouco da beleza da vida.
    Bjux

    ResponderExcluir
  10. \0/~Eba!!!
    Adorei a cadência do texto.
    Estive pensando outor dia:
    Deus quanta lembrança boa tem dentro da gente.
    Pra que lembrar só de coisa ruim?
    Delicia de MEMORIAS.
    Saudades de ti...muitas...nem mensura.
    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  11. Olá Franck, que lindas memórias e quanta felicidade as podermos lembrar, sinónimo de uma infância preeenchida de carinho, ter família e ter também o essencial para o desenvolvimento harmonioso e uma vida saudável.

    Tem um lindo fim de semana.

    Beijinhos

    Sãozita

    ResponderExcluir
  12. Lembrar e relembrar são otimas coisas
    a serem feitas
    e são tão diferentes.
    Lembrar da saudade, relembrar é querer de volta.
    Não sei...gosto de lembrar como faz no texto.
    Flores e Cores pra ti.

    ResponderExcluir
  13. Bem elaborado. E eu tenho a sensação de que nestas épocas as pessoas encontravam a felicidade em meios mais simples e valiosos ao mesmo tempo. :D

    Bom final de semana!

    ResponderExcluir
  14. Faço minhas as palavras do amigo Jacson Faller.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  15. Fez lembrar-me a minha infância, não faz tanto tempo, mas faz tanta falta..
    a simplicidade de uma casa de roça o leite tirado na hora em cima do cuscuz, os bonecos de argila na beira do rio, os cavalos... tudo.
    Como sempre... uma belíssima criação!
    Parabéns mesmo querido :*

    ResponderExcluir
  16. Olá Franck!
    Parece que estavas a descrever a minha infância...só não tinha cavalos nem rios...
    Parabéns, escreves muito bem.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  17. Na casa de meus avós tinha uma goiabeira
    enorme, e nela nos empoleirávamos
    eu, meu irmão, meus primos...
    Passávamos horas intermináveis ali
    em conversas alegres, pueris
    como só a infância nos permite.

    Lindo texto, trouxe gratas imagens da minha infância.
    abço

    ResponderExcluir
  18. Você me fez voltar na minha infância.

    Que pena que aqueles tempos não voltam mais.
    Sinto saudade da vida simples, pura, de tudo que eu vivi.

    Tão bom passar aqui, Franck!

    Abraço apertadooooooooooooooooooo!

    ResponderExcluir
  19. oie Franck,
    fico feliz q tenha voltado e nos brinde novamente com esses textos lindos!!!

    E a previsão do seu signo para essa semana? eu sinceramente não sei, mas espero que para todos os signos esteja previsto muito Amor!!! rsr ah, mais só acredite nas previsões boas! rsrsr bj

    ResponderExcluir
  20. Oi lindo
    que gostoso o rio, o cavalo, as bananeiras
    quanta saudade me trouxe
    adoro poetas e voce está totalmente incluido nessa leva rsrs
    abraços fortes

    ResponderExcluir
  21. Viajei em suas memórias, em suas lembranças, sentindo odores, ouvindo os sons, assistindo as imagens. Você é muito bom nisso, Franck. Ainda fiz uma viagem no tempo da minha vida e revi minha infância, revivendo momentos lindos.
    Franck, vc é todo sentimento. Que bom que vc é meu amigo.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  22. quanta nostalgiia...
    tão bom lembrar do passado, principalmente da infância *-*
    boa semana pra ti, Frank !

    ResponderExcluir
  23. Que passado delicioso hein?
    Exercitar lembranças assim faz bem.
    Me deu saudades de minha casa.
    Beijos

    ResponderExcluir
  24. Não consigo ler mais nenhum dos teus textos escritos sem sentir uma dorzinha depois de ter lido "Uma história quase verde", que fala o novo significado que teu agosto veio ter...

    Mas falando das lembranças, este texto é rico delas. Lembrei-me de mim ainda criança, no Rio, quando acordava bem cedo sem que ninguém soubesse só para espiar aquele homem misterioso que, de manhãzinha, deixava leite na porta das casas...

    Saudade desse tempo. Saudade daquelas imaginações.

    Um abraço, Franck. Fique bem, viu?

    ResponderExcluir

(Quem dá a volta ao zodíaco comigo...)

Previsões dadas...

EU...

Minha foto
São Luís, MA, Brazil
Um brasileiro-nordestino, um cara comum, qlq um, como diria Caetano Veloso...