terça-feira, 3 de agosto de 2010

'Flower não é flor'


Você me chamou para ver o sol nascendo. Era verão. Nossos olhos e corpos pesavam de sono e vinho e maconha e sexo. Era Trancoso, na Bahia. Éramos alegres, vestíamos roupas coloridas e flores nos cabelos e éramos muitos e tinha fogueiras, violões e flautas e sax. Tinha uma casa de praia que as águas do mar banhava nossos pés na varanda. Tinhamos cabelos longos, nenhuma grana e uma ousadia de sair sem lenço e sem documento. Tinha Gal Fatal no aparelho de som e Mutantes e Caetano Veloso e nossos sonhos que começavam naquela casa de praia, com aquele sol, aquela lua, com nossos desejos, nossa juventude, nossas peles bronzeadas cheirando a algas e mar e incenso. Tinha paixão e éramos felizes, apesar dos pesares. Do país.
Você me chamou para ver o sol nascendo e apenas segurei sua voz e na sua mão, mas não fui. Meus olhos e corpo pesava de sono e vinho e maconha e sexo. Foi num iníco de uma manhã de um verão longínquo e tinha depois uma tarde, um arco-íris, uma garoa caindo, um cheiro de terra molhada e você sumindo numa estrada. Tinha John Lennon dizendo que o sonho havia acabado e uma mochila verde pronta num canto da sala daquela casa de praia.
Há também outra manhã, outro verão e o mesmo sol nascendo. Mas não tenho cabelos longos, pés descalços e 'flower não é flor', o colorido das roupas agora são ternos e gravatas escuros. Não há mais sua mão. Sua voz. Mas há lembranças. Mas há o sol nascendo. E é verão.
(by, franck)


25 comentários:

  1. Tudo muda...aprendemos a nos conter, aprendemos a esperar, sonhamos coisas mais possivéis, mas quanto á amar, sempre fazemos igual, amamos sem saber o porque, amamos loucamente, amamos pra não adoecer...rs!!!

    Mega, master, plus...Blogbeijoooos!

    ResponderExcluir
  2. E por mais que não queiremos essas lembranças ficam sempre, sendo recordadas numa voz, num aroma, numa cor, num sol de verão, numa gota de chuva, numa música, num grito feliz...

    Belo texto!

    Bj

    ResponderExcluir
  3. Você me surpreende e emociona a cada texto. Muitos verões ainda virão.
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Já não somos mais os mesmo.
    Não seremos mais.
    A roupagem mudou, o cheiro de incenso também.
    Aquele nascer de sol, nunca mais será o mesmo.
    Nem as ondas molhando os pés.
    Mas haverá lembranças...e um sol nascendo.
    Porque assim, prossegue nossa vida.

    Franck, como é bom te ler!!!
    Minha alma agradece.

    Um abraço forteeeeeee, meu querido!

    ResponderExcluir
  5. Ah os amores de verão... Sim, eu sou mais chato nessa época do ano porque sou fraco para o calor, mas é sempre bem vindo esse clima de chuvas, sol nascendo, pés no chão, sem blusa... aiai... bjuu!

    ResponderExcluir
  6. Adorei o cenario, adorei a descriçao, adorei a vida ao texto! =)

    ResponderExcluir
  7. gostei desse 'tempo'.
    contado por ti assim, eu me lembro de tanta coisa...

    Não sei quantos verões eu perdi, mas agora eu os deixo partir com o seu texto. Revelador demais.

    Muito.

    ResponderExcluir
  8. Quantos não ouviram a voz de John, dizendo que o sonho acabou? Quantos não seguiram sem lenço e sem documento o caminho de volta à procura dos dois? Quantos não queriam, agora, estar em Trancoso para ver o sol nascer? Quantas mãos não poderiam ser levadas e quantas vozes não poderiam ser ouvidas? Mas nenhuma seria a que se perdeu e nenhuma reporia a mochila verde jogada no canto da sala. Sempre que o sol nasce, um gosto de passado, baço, nos olhos? A vida muda, nós mudamos... todos mudamos, ainda que sem querer.

    ResponderExcluir
  9. e o sentimento as vezes é reproduzido na mesma exatidão da lembrança.
    =]
    e isso da tanta saudade =/

    ResponderExcluir
  10. É...e agora o tempo mudou,são outras e não se tem o que se tinha antes,mas ainda existem as lembranças q nos transportam até o passado.
    :*

    ResponderExcluir
  11. É Franck...
    alguem que esta me dizendo adeus...
    disse algo sobre saudade não ser
    alguem que foi
    mas sim lembranças
    boas que ficaram.
    Algo assim.
    Tenho vivido tantaos partindo que acabo me esquecendo de so lembrar
    das coisa sboas.
    Engraçado que eu era assim, antes de abrir minhas defesas.
    As vezes penso que pra
    chegar onde se pretente
    é necessario
    deixar tanto de nós mesmos...
    Adorei o texto.
    Amo girassois, amo verão.
    Mas definitivamente não gosto de adeus...

    Bjins entre sonhos e delírios

    Ah passa la nese blog Reflexo d'Alma

    ResponderExcluir
  12. Que lindo...as vezes não percebemos que a oportunidade apresentada é a última, então pegue na mão dela, diga a ele que o ama e dê um beijo no bendito. Mas se não fizer isso, eis que restam as lembranças...como é bom lembrar, com um colorido só nosso e nossos significados, cheiros e sentidos. você me fez lembrar de muitas coisas. Beijos

    ResponderExcluir
  13. ...podem nos roubar TUDO,
    menos as nossas lembranças,
    boas ou más...
    mas são nossas, e ponto e basta!

    bj, querido!

    ResponderExcluir
  14. Está bem, flower não é flor...

    A vida mudou, mudou, Trancoso está lá, lindo como sempre e você está aí, poeta como sempre, cheio, transbordante de sentimentos...

    Mas você se esqueceu, você não está falando de flower e nem de flor... você colheu um sunflower.

    P.S.: mesmo off estou on, mas irei ver o rio.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  15. Mensagem truncada esse rio aí, não é?!

    É que, às vezes, eu me permito ser truncada também. Por que não?

    ResponderExcluir
  16. muito bom o texto
    numa manha de sol, tudo pode acontecer
    :)
    beijos

    ResponderExcluir
  17. Posto aqui Hoje cedo:quarta-feira, 4 de agosto de 2010
    Eu não sou promíscua. Mas sou caleidoscópica: fascinam-me as minhas mutações faiscantes que aqui caleidoscopicamente registro. Clarice Lispector:E que tudo mais; vá pro inferno

    ResponderExcluir
  18. O nosso amor foi descoberto, mas não é por isso que nos vamos separar!
    O amor é mais forte que tudo.

    ResponderExcluir
  19. Franck,
    passa aqui pra conferir a postagem do Lu Cidreira
    http://reflexosespelhandoespalhandoamigos.blogspot.com/2010/08/compartilhando-palavra-lu-cidreira.html

    ResponderExcluir
  20. Oi queridooooooo
    que saudade estava de vc!!
    E quanta coisa boa me esperava aqui no te espaço. Até uma homenagem! Que singelo!!!
    Saiba que vc foi lembrado várias vezes, em várias conversas, durante este meu período de ausência.
    Ah, comprei uma coletânea do Caio (advinha de quem lembrei???). Procurei "os dragões..." mas não achei. Pena que o livro que comprei eu já havia lido (o único dele, que de tanto tempo não lembrava mais como era a capa), ao menos agora ele é meu....rs

    Sobre o ultimo post:
    Esse tempo que passa pela pele, pelo corpo mas estagna nas nossas lembranças, me parece ser o que nos faz únicos.
    Pela alusão à música do Baleiro, pelas idéias semeadas, teu texto me fez lembrar de uma linda música paraense:
    "os velhos sonhos continuam no mesmo lugar"

    Abraços, querido!!!!
    Mônica

    ResponderExcluir
  21. Ai...que coisa boa de ler meu amigo Frank!!!
    Flower não é Flor...mas lembrança boa, ainda é lembrança boa! Esteja voce de terno escuro ou roupas coloridas, sua memórias e recordações estão ai contigo pra onde quer que vá, e são essas lembranças que nos fazem ver o quanto somos e fomos felizes...!
    lindo demais!
    bjossssssssss

    ResponderExcluir
  22. Franck, lindo texto
    suas palavras fez com eu sentisse, e trouxe para o meu dia enquanto as lia, o calor e a alegria do verão, mesmo estando um dia cinzento e chuvoso aqui em São Paulo. Obrigado!

    Abraço
    Carlos

    ResponderExcluir
  23. Bravo!

    Adoro a cor do verão, esse q nasce de tuas mãos.

    bjok
    =)

    ResponderExcluir

(Quem dá a volta ao zodíaco comigo...)

Previsões dadas...

EU...

Minha foto
São Luís, MA, Brazil
Um brasileiro-nordestino, um cara comum, qlq um, como diria Caetano Veloso...