quarta-feira, 30 de junho de 2010

..."eu rabisco o sol que a chuva apagou"... (Renato Russo: 'Giz')





Tempo de Amarelinha




Lembro-me de um tempo
no qual brincava de amarelinha e soltar pipas num quintal com meus irmãos
laranjeiras e lagartas coloridas habitavam o mesmo espaço
era a casa do meu avô.
Ele, sempre sorridente,
dentro de uma loja que cheirava a sedas e perfumes baratos.
Lembro-me que nesse tempo
minha mãe sempre de roupas escuras e muitas rendas brancas
uma pré-dark?
ela era sempre triste e tem olhos grandes
como os meus.
Lembro-me ainda que meu pai nunca estava
ele era um beat ou estava na prisão?
Gostaria de abrir baús e saber tudo desse tempo
mas os mistérios me fascinam mais.
(by, franck)

16 comentários:

  1. Gostei do poema, principalmente o final original: os mistérios me fascinam mais.
    Muitos baús tb prefiro não abrir, talvez fechados são mais encantadores...

    Excelente!
    bom dia

    ResponderExcluir
  2. Franck somos contemporâneos, estes esforços de rememorar tempos, abrir estes baús de lembranças tem sido meu desejo ultimamente. Acredito que em determinada “fase” sentimos esta necessidade. A geração dos anos 60 ate 80 e foram agraciadas com talento criativo inigualável.
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Muitas lembranças são melhores escondidas num baú para não perderem o encanto.
    Abração

    ResponderExcluir
  4. Frank,


    Um texto lindo,
    com a doçura da infância
    com o fascínio das brincadeiras
    e um com o enigma dos guardados...
    (felizmente sou alérgica, prefiro "o novo"...)


    Um abraço, Marluce Freire

    ResponderExcluir
  5. Não sei se é o tempo que está passando rápido demais ou a ampulheta anda desregulada, mas, ultimamente, ando assim, a relembrar o passado, quase sofrendo de torcicolo emocional.

    Muito interessante o seu blog. Parabéns pelo espaço e gostei que gostou do meu Afrodite. Aquele é o meu espaço de fuga, por isso não tem seguidores. A minha interação maior está no outro blog. Mais ou menos como se fossem duas pessoas em uma - o côncavo e o convexo.

    Beijos pra ti e uma ótima noite.
    Aqui em Floripa, tempo bom e um leve vento vindo do mar...

    ResponderExcluir
  6. eu rasbico a lua, mas meu amor apagou. beijos

    ResponderExcluir
  7. Meu Querido amigo, me perdoe o sumiço, é que tenho sido atacada por Murphy...e o tempo me escapuliu pelas mãos!
    De fato teu post combinou com o meu sobre minha vontade de voltar a ser criança...ai como eu queria voltar 24 anos da minha vidinha, só pra reviver os momentos mais doces e lindos ao lado de meus avós paternos que ja não fazem parte deste mundo...ai que saudades...!!!!
    Lindo demais teu texto, lindo demais!
    bjossssssss

    ResponderExcluir
  8. Franck... querido
    desde que deixei de temer
    abrir não somente os baus
    mas minhas gavetas, como vejo na escultura de
    Dali...
    eu tenho sido mais feliz...
    abro sempre
    e faço uma bagunça danada.
    Porque o que é segredo
    os que nos cercam
    querem saber para tentar
    usar cntra nós.Ja quando tudo
    esta exposto, logo
    se desinteressam.
    Pois não nos podem fazer estragos,
    não mais.
    Guardei segredos, baus, escondi
    as chaves
    de minhas gavetas,
    temia muitas vezes.Hoje tenho paz.
    Que tentem ,mas arrombar?
    Nunca conseguirão,
    não mais.
    Belo post.
    Adoro, sabe disso.
    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  9. Realmente coisas que sabemos e não sabemos de nós mesmos, sempre nos fascinam, você fez eu me lembrar,de minha avó, de quando eu era garoto e os cuidados que ela tinha comigo, deu saudade.
    Pois é Franck, sem tempo, azoado com um monte de coisa, sem inspiração.
    Quase não posto este mês, já estava procupado.
    Mas uma vez obrigado pela gentileza.
    Um abraço!!!

    ResponderExcluir
  10. Ah, Franck! Que pena, de repente, acabou. Eu ia lendo, lendo, já estava lá dentro da loja que cheirava a sedas e perfumes baratos e fim. Fim ponto. Ponto. Acabou, Suzana, acabou, Lily, fica na vontade!

    ResponderExcluir
  11. "Giz" traz uma sensação de nostalgia mesmo... Muito bem aproveitada por você, inclusive.
    Mais uma vez, parabéns!

    Beijos Franck!!!

    ResponderExcluir
  12. e nesse tempo, era justamente em meses como esse de julho, onde nossos primos e primas vinham passar dias na casa de nossas vós, onde podíamos dormir um pouco mais tarde, tempo em que descobrimos o amor e a sexualidade mais de um modo inocente de criança.


    creio que a busca dela é vã ;

    ResponderExcluir
  13. "Gostaria de abrir baús e saber tudo desse tempo
    mas os mistérios me fascinam mais."

    *--*

    ResponderExcluir
  14. Adorooo essa música da legião...rs!!!

    Sophia mandou lembranças e avisa que assim que encontrar com Branca(a Garota do Blog)falará de você.

    Blogbeijooos!

    ResponderExcluir

(Quem dá a volta ao zodíaco comigo...)

Previsões dadas...

EU...

Minha foto
São Luís, MA, Brazil
Um brasileiro-nordestino, um cara comum, qlq um, como diria Caetano Veloso...