quinta-feira, 1 de julho de 2010

(Leia ouvindo Adriana Calcanhoto)


Ausência


Após seis meses de sua ausência, dentro dos quais esperei o telefone chamar e ouvir sua voz do outro lado da linha, a campainha da porta tocar e quando abrisse, visse reu rosto e aquela expressão meio angustiada que você sempre tinha (tem), esperar um recado, uma carta, um email, nada disso aconteceu, apenas meu luto, que a cada dia foi sendo curado com lágrimas, tentativas de outros relacionamentos, apagando seus vestígios pela casa, evitando os lugares que fomos, assim como os amigos em comum.
Após seis meses de sua ausência, quando meu luto por sua partida, como uma bruma numa manhã, se desfez; quando as feridas poderiam ser remexidas que não mais sangrariam, quando, enfim, deixei de ouvir a música de Adriana Calcanhoto ('ainda tem o seu perfume pela casa, ainda tem você na sala'), que foi minha trilha sonora nesse tempo, revejo-a num encontro casual. E, vens me falar de pôr-de-sol na praia, das flores nos cabelos quando cuidava do jardim, das fotografias que ainda tens de nós dois, de nosso sonho de ter uma casa no campo, dos jantares na varanda à luz de velas e regado com vinhos, do luar nos acampamentos que fizemos, dos fins de semana nos Lençóis Maranhenses, das férias mergulhando em Fernando de Noronha, das tatuagens com ideograma chinês que fizemos iguais, das tardes no escuro do cinema, dos livros de Clarice Lispector que deixaste, dos cds de Zeca Baleiro que levaste, do prazer do vento no rosto das tardes na praia, do sabor do sorvete de jaca que só encontrávamos na sorveteria da esquina da nossa casa...
Após seis meses de sua ausência, não venhas me contar de você, não venhas querer saber de mim, não venhas relembrar dessas coisas que vivemos, que fizemos... Após esse tempo sem vê-la, apagou a chama da saudade, o tremor das pernas, o nó do peito e da garganta, suas lembranças nem são mais as minhas.
(by, franck)

25 comentários:

  1. É fácil brincas com os sentimentos dos outros, é só voltar e acreditar que tudo vai ser como era antes.Doce ilusão...
    Bjux

    ResponderExcluir
  2. O final resume todo o post, maravilhoso por sinal. Ausência é uma dor que vai diminuindo ao longo do tempo. para uns abranda mais facilmente, para outros, demora muito, muito mais... Mas se já não existe mais história, pra que relembrar e falar do tempo em que estiveram afastados... Como vc disse, as lembranças de um nem são as do outro.
    Lindo texto, profundo, real.
    Beijos pra ti!

    ResponderExcluir
  3. virou a página! que bom!
    ...
    tenho um amigo que não a consegue virar há 10 (d-e-z) anos! já ninguém aguenta vê-lo naquele estado.
    ...
    beijo

    ResponderExcluir
  4. e eu o que posso falar sobre isso?! não posso! nem me atrevo! apenas digo que bom assim!

    Beijos Franck e um bom resto de semana ;]

    ResponderExcluir
  5. "... mesmo as pedras, com o tempo, mudam" (C.Meireles).

    Abraços,

    ResponderExcluir
  6. Ai, Franck, o que eu já me ri comigo mesmo.;)
    nem eu imaginei outra coisa!
    boa noite!

    ResponderExcluir
  7. “Dentro de um livro na cinza das horas”
    Nostalgia pura conterrâneo... “Ai que saudades dos tempos de outrora”.
    Mais o amor continua...

    ResponderExcluir
  8. Que lindo, Franck! Fui lendo, lendo, arrepiando-me, fui virando emoção. E o que gosto?... o sorvete e seu sabor, os cds que foram, os livros da Clarice que ficaram... fui aí, que bom! Se é realidade, melhor ainda, deu a volta por cima, pulou fora do círculo, e não importa se ainda é amor, se ainda há amor por ela, o que importa é que você provou, mostrou, escancarou para ela e para você, principalmente, que o mundo dá voltas, é grande demais e a sua vida, você a faz!
    Parabéns pela arte, parabéns pela conquista, e pouco importa até onde é irreal, até onde é fatal.
    P.S.: você já habita minha casa e se senta na melhor das poltronas.

    ResponderExcluir
  9. Muito bom, o que 6 meses tortuosos não fazem, não é mesmo?! Também já passei por isto, também já apaguei tudo que tinha de ser apagado e, sim, ao contrário de você, ele ter voltado depois de tanto tempo, me fez perder um final de semana pensando em como seria. Mas não, futuro do pretérito não existe e voltemos as nossas conquistas...

    Abraço!

    ResponderExcluir
  10. Franck...
    penso que ler
    é se envolver
    com as apalvras,
    cmo fazmos cm os lençois
    quando entregues ao
    que nos faz muitas vezes cativos:o desejo e o prazer.
    O lençois ficam tão amassadinhos,
    não da refazer a cama
    sem estica-los bem...
    Pois quando novamente arrastados
    para lá..
    não serão os mesmos amassados,
    não nos embolaremos da mesma maneira...
    talvez
    ate o lado da cama será outro...
    ainda que a cama a mesma e os lençois tambem, porque por um são.
    Como seu texto
    diz
    e pra frente,
    adiante.
    Lembranças
    de emoções que ja passaram
    não amarrotam lençois...
    Mas...
    lembranças são saudades, marcas
    pra exatamente como diz seu belo texto:
    Não deixar que outro pense que nós somos
    lençois...esticou esta esticado,
    relembram apenas
    momentos do ontem,
    pois na verdade
    não querem
    um hj...
    tanto que foram embora
    um dia sem olhar pra tras.
    Delícia de texto.
    Tarde proveitosissima
    essa sua de quinta.
    Talvez eu ate componha sobre
    lençois hj...
    quem sabe?
    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  11. É incrível como o tempo apaga tudo!


    Bom dia Franck!

    ResponderExcluir
  12. Uau .. muito bom ....
    me identifico com seus textos, já passei por isso ... mas o tempo é o melhor remédio . minha mãe já dizia.

    ResponderExcluir
  13. E eu que teimo em acreditar que o 'pra sempre' nunca acaba, contrariando o que cantou Renato Russo.
    Fiquei a pensar..
    Um abraço

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  15. QUE bom que tudo passou .
    sei bem como é isso
    :s

    uma vez ouvi essa frase num filme :
    "Não se atribui grande significado cósmico a um simples evento na terra ..."

    ResponderExcluir
  16. Inebria-me a alma suas palavras sempre tão certas... e meu coração se cala diante da dor que uma ausência causa.

    BeijooO*

    ResponderExcluir
  17. Passei pra te deixar um abraço e pra te desejar um ótimo fim de semana... PS.: Não. meu humor não melhorou. Sim. Pode rir, eu deixo. E, eu tbm teria ganho num bolão (risos). Beijo no coração! (Mas, claro, sem arrancá-lo do peito).

    ResponderExcluir
  18. “A lembrança só dói quando fresca. Depois de curtida, é um consolo.”

    muito bom mesmo, adorei seu blog e também estou te seguindo :)

    ResponderExcluir
  19. Franck,
    mas que prazer estar viajando aqui na internet e "cair" no seu blog!Que texto mravilhoso, que todos nós já vivemos um dia...
    Sim...o tempo é nosso aliado e o senhor da razão...TUDO PASSA.
    Passo a lhe seguir e lhe convido a conhecer meu cantinho, onde só vale...se OLHAR DENTRO DOS OLHOS...

    um beijo e bom final de semana!

    Bia Maia

    http://olhardentrodosolhos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  20. Ahhhhhhh...

    e esta música...quantas lágrimas já rolaram...

    beijo!

    Bia

    ResponderExcluir
  21. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  22. Olá Franck, estive lendo suas lembranças, que delíciade tempo bom!
    Eu amo a Adriana Calcanhoto, principalmente a musica " TRÊS".
    Obrigada por sua visita meu amigo!
    Bjsssssssssss
    GM

    ResponderExcluir
  23. Tô aqui!
    rs
    ...Pra fazer bolhas c/a metade de teu Sr. chiclete, c/todo respeito(rs)
    ...E Pra dizer q admiro mto quem descreve esse desassossego, essa fala transparente q se acende nas vêias de nossas histórias...c/tanta habilidade.

    bj Franck!

    ResponderExcluir
  24. é isso aí Frank, assim como Manuel Bandeira temos que aprender a dizer Adeus, sem remorso, assim como os aviões nos aeroportos

    fica a dor

    fica as lembranças

    fica tudo de ruim e de podre

    mais temos que aprender a nos livrarmos de tudo, eu estou aprendendo e colocando em prática. Lo Adeus ^^

    ResponderExcluir

(Quem dá a volta ao zodíaco comigo...)

Previsões dadas...

EU...

Minha foto
São Luís, MA, Brazil
Um brasileiro-nordestino, um cara comum, qlq um, como diria Caetano Veloso...